0 Compartilhamentos 81 Views

Jogos independentes: o segredo do sucesso não existe mas…

12 de setembro de 2018

A indústria dos jogos eletrônicos é o setor mais promissor da área de entretenimento e o grande sonho de muitos desenvolvedores que gostariam de combinar sua expertise com a criatividade e o prazer de fazer parte do meio.

Não são poucos aqueles que perseveram e perseguem essa meta aqui no Brasil e nós fizemos um apanhado geral de vários deles na série Brasil dos Jogos. Entretanto, como também já vimos por aqui, não existe um caminho certo e seguro para desenvolvedores independentes.

Paul Kilduff-Taylor é um desenvolvedor independente britânico e um dos fundadores do estúdio Mode 7 Games, responsável por títulos como Frozen Synapse e Tokyo 42. Em um extenso artigo publicado no seu Medium, ele explica as agruras dos bastidores da criação de jogos longe das grandes empresas.

Com sua autorização, traduzimos e reproduzimos o artigo na íntegra:

“Estamos prestes a lançar o Frozen Synapse 2. De certa forma, é o culminar de 17 anos de envolvimento com jogos independentes de uma forma ou de outra. Este parece ser um bom momento para olhar para trás e escrever algum tipo de postagem inspiradora, a fim de obter 20 minutos de atenção da mídia social para alavancar para fins de marketing…

Eu não sou realmente tão cansado e cínico assim, mas certamente é um desafio encontrar conselhos táticos válidos para dar aos novatos em desenvolvimento indie nos dias de hoje. Não há segredos reluzentes para o sucesso, apenas um tijolo sem graça, composto de sorte e esforço.

Como o inevitável Rami colocou recentemente, “indie é maior do que nunca e também está morto”. Várias cabeças falantes (eu provavelmente incluso) passaram muito tempo desde 2005, dizendo como os jogos indie seriam “como a música” eventualmente, significando que entraríamos em um estado super-saturado, super-estratificado, onde alguns dos grandes nomes conseguiriam um bocado da atenção e todos os outros ficariam rodando por aí nas redes de distribuição mediadas pelas corporações.

Bem, nós basicamente chegamos a esse ponto agora, então conselhos específicos para jogos indie agora são efetivamente relevantes para qualquer empreendimento criativo. As coisas são comprovadamente mais desafiadoras do que quando começamos, mas também há um mundo inteiro de experiências para você extrair.

Desde que começamos, o desenvolvimento de jogos indie ascendeu de ser uma panelinha de criadores de bastidores para os pícaros de ser uma aspiração de carreira. Esse tipo de mudança cultural pode levar ao surgimento de uma meta-indústria de traficantes de conselhos que não têm experiência diretamente relevante no desenvolvimento e lançamento de jogos de sucesso. Cuidado com isso, e tenha cuidado com atalhos e truques excessivamente simplistas: eu nunca quero ler outro postmortem no Gamasutra que lamenta o fracasso de um único comunicado de imprensa para gerar uma série de avaliações no dia de lançamento. Tudo é um processo: se alguém lhe promete sucesso como conseqüência direta do emprego de seus conselhos, eles mentem para você.

Outro problema com orientação muito específica é a curta data de validade. Por exemplo, eu poderia gastar algum tempo aqui expondo a eficácia da Lista de Desejos do Steam – concentrando-nos nela no pré-lançamento funcionou bem para nós e para alguns outros indies que se adaptaram a esse aspecto da infraestrutura da Valve – mas isso pode mudar logo após eu publicar isto. Meus artigos de marketing anteriores a 2014 já envelheceram horrivelmente, então, prefiro tentar escrever algo que será relevante nos próximos cinco anos.

Uma coisa que é importante ter em mente é que o ritmo da indústria de jogos não é uma força unificada: as coisas mudam a taxas diferentes. Por exemplo, a distribuição no varejo ainda se agarra à vida muitos anos depois de os analistas declararem sua morte iminente, enquanto o “boom indie” de Switch durou apenas alguns meses. A menos que você esteja absolutamente preparado para aproveitar uma situação em uma plataforma específica, o desenvolvimento de estratégias de longo prazo é a única chance que você tem para um sucesso consistente.

Então, em vez de segredos, vou oferecer alguns princípios que podem ajudá-lo a pensar em sua trajetória de desenvolvimento de jogos indie. Estes serão em grande parte voltados para desenvolvedores mais novos, mas, se a minha própria experiência valer de alguma coisa, aqueles que já estão na área há algum tempo ainda poderiam refrescar a memória com alguns fundamentos.

Além disso, sinta-se à vontade para discordar de mim: tenho meus próprios preconceitos e equívocos embutidos; você está mais qualificado para identificá-los do que eu.

Eu gostaria de recomendar dois livros antes de começar:

Perennial Seller — Ryan Holiday

The Hit Makers — Derek Thompson

Estas são duas investigações inteligentes sobre a natureza do trabalho criativo e como esse trabalho pode encontrar um público – elas entram em mais detalhes do que tentarei aqui.

Uma nota final: não vou ser prescritivo sobre a definição de jogos indie. Eu vou falar sobre o sucesso em termos comerciais às vezes, mas eu não quero impedir o trabalho puramente criativo que tem zero aspirações comerciais. Jogos gratuitos, jogos de arte, não jogos, anti-jogos, jogos lixo, experiências interativas… todo esse espetro emocionante de trabalho é válido, importante e serve para reforçar a contribuição dos jogos para a cultura como um todo. “O que é indie?” e “O que é um jogo?” são questões inúteis para nossos propósitos. Apenas pegue o que você precisa e ignore o meu tom se isso te incomodar.

Familiaridade e Novidade

Este é um conceito que Derek Thomson desenvolve bem em The Hit Makers, mas vou discorrer um pouco aqui.

Um dos traços comuns da mídia popular é que ela contém uma boa dose de familiaridade ou nostalgia. O público associa o trabalho a memórias positivas pré-existentes e é atraído por elas.

No entanto, para que um trabalho realmente apareça, também é necessário um novo elemento: algo que incentive a fórmula; algo que o diferencie das massas.

Se o seu jogo é muito familiar, será chato e óbvio. Se for muito original, será estranho e difícil de analisar.

Eu adicionaria um adjunto ao componente “novidade” aqui: “resolvendo um problema”. A Blizzard é mestra em aceitar os paradigmas de jogos existentes e torná-los mais acessíveis e recompensadores: veja o Diablo como uma reação contra RPGs clássicos; Hearthstone como uma destilação de Magic the Gathering e Overwatch como uma resposta ao TF2. Se você puder identificar e resolver de fato um problema com um gênero popular, então você pode ser um vencedor.

Duas notas de cautela: o problema tem que ser significativo, e seu jogo tem que se levantar contra outros atores do gênero em seus próprios termos. A Blizzard está bem posicionada para fazer isso, porque eles são uma organização enorme capaz de implantar imensos recursos, uma pequena equipe realmente tem que escolher suas batalhas.

Nosso jogo de 2011 Frozen Synapse foi um refinamento de outros jogos de estratégia tática: o vizinho mais próximo era Laser Squad Nemesis. O LSN é um jogo clássico, mas as partidas demoravam muito para serem jogadas, era apenas multiplayer e tinha uma interface do usuário datada que era complicada para os padrões contemporâneos. Quando lançamos o FS, realmente não havia muita outra competição em termos de jogos táticos baseados em turnos simultâneos, então pudemos ter esse minúsculo nicho por um tempo.

Familiaridade e novidade podem ser mestres difíceis. Nosso título de 2015, Frozen Cortex, lembrou muito as pessoas de um jogo de futebol; não era familiar o bastante para os fãs de esportes e, de certa forma, era novidade demais para um determinado grupo de jogadores que desdenhava qualquer associação esportiva. Ele teve boas críticas e as pessoas que conferiram tenderam a aproveitar muito mas não conseguiu essa combinação com precisão.

Café é para Completistas

Há uma coisa que todo jogo indie de sucesso tem em comum: foi lançado de alguma forma.

Completar projetos é uma disciplina – leva tempo para cultivar e não deve ser negligenciada. Se você nunca terminou um projeto sério antes, recomendo enfaticamente fazê-lo antes de tentar fazer qualquer tipo de jogo significativo. Pode ser uma coisa pequena, mas deve ser uma coisa acabada.

Eu sou um perfeccionista e um procrastinador: minha tendência natural é ajustar pequenos aspectos de algo, me preocupar com isso e depois parar de trabalhar nisso porque acho que é inadequado. Ao longo dos anos, tive que combater essas tendências reconhecendo-as em mim mesmo e ouvindo outras pessoas que têm características diferentes. Superar isso é uma parte essencial de seu desenvolvimento pessoal, se você quiser fazer um trabalho criativo, então encontre uma estratégia que seja coerente com você e cumpra-a.

Se não o fizer, Alec Baldwin irá aparecer no seu escritório e repreendê-lo de uma forma decididamente não politicamente correta.

Comece com a Arte

Os videogames são, pelo menos ao nível comercial, um meio visual. Sua primeira impressão de um jogo é baseada em uma captura de tela, no GIF ou nos segundos iniciais de um trailer.

Uma coisa que me surpreende das equipes mais jovens em particular é a falta de arte impactante, particularmente em gêneros competitivos. Os jogadores vêm pelo visual e ficam pelo jogo, então toda vez que você está lançando um jogo ou exibindo-o, você precisa colocar a arte em primeiro, e essa arte tem que ser arrasadora.

Eu não estou falando sobre realismo ou shaders insanos: há outras maneiras de competir. Aqui estão alguns jogos que eu acho bonitos:

A arte de todos esses jogos é fascinante: implica diretamente profundidade sistêmica, ou um tipo único de diversão, e isso me faz querer mergulhar.

Muitas novas equipes indie tentam replicar a arte reluzente de jogos de grande porte e complicam demais as coisas no processo. Nós definitivamente entendemos isso errado originalmente: compare nosso primeiro game Determinance e nosso segundo Frozen Synapse…

Nós jogamos tudo no Determinance, mas o resultado foi um estilo de arte desconexa. Para manter as coisas coerentes, tínhamos que apontar para algo muito mais direto, então com o Frozen Synapse eu peguei minhas sugestões de direção de arte de jogos como DEFCON e o trabalho de motion graphics do designer Mark Coleran.

Arte elegante e restrita é sempre mil vezes mais evocativa do que “minha melhor tentativa de AAA”. Se você tem um artista insanamente talentoso que é capaz de criar uma arte de ambiente gloriosamente realista, então use isso a seu favor, mas, de outra forma, ser tático com a arte é quase sempre sua melhor aposta.

Faça bom e empurre-o para a frente.

Dê a Si Mesmo uma Chance

Se o seu projeto dos sonhos puder ser plausivelmente executado com os recursos que você tem atualmente disponíveis, vá em frente. Em 99% dos casos, um jogo que te interessa profundamente – uma expressão de tudo que você sempre quis fazer e uma evocação de seu amor pela forma – terá uma chance muito maior de sucesso do que algo que você está fazendo com cinismo ou pragmatismo.

Fora dos projetos que são especificamente parte de um processo de aprendizagem bem definido (talvez “aprender a terminar alguma coisa”, como discuti acima), fazer algo “que parece sensato” é uma ideia terrível. Eu já vi equipes arrecadando investimentos que claramente montaram algo simplesmente porque dinheiro estava sendo oferecido, na esperança de que eles pudessem pagar um pouco para trabalhar em algo relativamente interessante. Não faça isso: é um desperdício de tempo de todos.

Sua jornada neste plano da realidade é incrivelmente curta e sua percepção do tempo acelera à medida que você envelhece – você não terá as horas, ou o espaço mental, para trabalhar em tudo o que é importante para você em sua vida. Se você puder, gaste seu tempo criando um legado do qual você se orgulhará.

Fique no Jogo

Desde a primeira linha de código escrita em um de nossos jogos, levamos cerca de 9 anos para ter um sucesso financeiro significativo com um projeto de jogo original. Eu conheço desenvolvedores para quem demorou muito mais tempo, e muitos outros para quem nunca aconteceu. Para jogar o jogo, você tem que estar disposto e capaz de se manter de qualquer maneira possível.

Os jogos são caros e consomem muito tempo, por isso pode ser tentador lançar tudo em um único projeto. Às vezes isso é inevitável – é claro, as pessoas são capazes de assumir quantidades variáveis ​​de risco com base em seus recursos – mas em todas as outras situações é bom ter um plano de recuperação. Contratos de trabalho, reservas de caixa, futuros projetos colaborativos, redirecionamento de tecnologia e IP existentes, fontes externas de financiamento … todos esses assuntos de negócios entediantes e sensatos podem ser muito úteis quando você está caindo em um limbo.

Você deve assistir a palestra de Jake Birkett, “Como sobreviver em jogos por onze anos sem um sucesso”.

Há também o custo pessoal de fazer jogos, e isso só aumenta com o tempo. Você pode estar trabalhando com entusiasmo em seus primeiros 20 anos, mas quando atingir os 30 anos, sua capacidade de fazer isso diminuirá significativamente. Se você quer trabalhar em jogos durante toda a sua carreira, você realmente precisa se equilibrar.

A maior parte deste artigo consiste em conselhos um tanto nebulosos que você pode optar por ignorar a seu critério, mas aqui estão algumas coisas que considero imutáveis:

  • Reserve tempo e energia em tempo real para gastar em seus relacionamentos; nunca comprometa isso por qualquer motivo;
  • Busque se exercitar todos os dias, sem exceção, até 15 minutos de caminhada é significativamente melhor do que nada;
  • Dê a si mesmo uma lacuna significativa entre trabalhar e tentar dormir;
  • Tenha interesses e amizades que não giram em torno de jogos e da indústria de games;
  • Aprenda a detectar sinais de estresse, esgotamento e “sobrecarga”; não hesite em agir sobre eles;
  • Lembre-se de ser gentil consigo mesmo e com os outros

Cinco minutos, cinquenta minutos, cinco horas, cinquenta horas

Aqui estão algumas perguntas que considero úteis:

Qual é a primeira coisa que alguém vê quando começa seu jogo?

Como é a primeira interação com os controles?

Como o escopo do jogo se abre na primeira hora – como ele demonstra sua profundidade para o jogador?

Quando o jogo começa a ficar chato – por que eu continuaria jogando assim que aprendesse o básico?

Posso imaginar alguém jogando meu jogo por cinquenta horas? O que seria necessário para ajudá-los a chegar lá – qual será o valor para eles?

Muitos jogos indies de novos times acertam em cheio nos primeiros cinco minutos – talvez eles sejam feitos para shows ou geralmente baseados em ação de arcade – mas a menos que alguém possa jogar de forma realista em uma sessão substancial e se divertir, você simplesmente não vai chegar a lugar nenhum. Por outro lado, alguns jogos muito profundos têm uma brutal rampa de acesso que faz da primeira hora um pesadelo tortuoso.

É essencial pensar em diferentes períodos de tempo e ter empatia com a experiência dos jogadores. Lute pelos usuários. Não reinvente a roda – dê aos jogadores algo para agarrar inicialmente.

Escória de Atenção

Você precisa fazer um jogo que mereça atenção, então você tem que ter a atenção que merece.

Eu não vou me aprofundar em marketing aqui – para grandes coisas recentes sobre o que eu recomendo que você verifique a coluna de Hayley Uyrus no PC Games Insider, bem como dar uma olhada em alguns dos trabalhos que Mike Rose vem fazendo com seu selo No More Robots. Se você quiser ver como uma grande produtora lida com isso, a Paradox faz um ótimo trabalho com sua comunidade e publicidade.

Você deve ter o impulso contínuo e o desejo de se conectar com seu público, e esse impulso deve fluir do próprio trabalho para suas atividades diárias. Isso é difícil e requer muita resistência – é muito difícil ser consistente. Eu sou ruim nisso, e é por isso que faço coisas como escrever postagens longas em blogs a cada sete meses, em vez de postagens menores  toda semana.

As pessoas querem contar (ou mostrar) a história do que está acontecendo com elas quando jogam um jogo. Esta história, que o jogo e o jogador criam em conjunto, é o que você precisa focar quando pensa em marketing.

Seus canais de marketing são essencialmente:

  • Social
  • Comunidade (Discord, fóruns, comunidade Steam, etc)
  • Assessoria de Imprensa
  • Publicidade paga
  • Posicionamento da loja

Pense em como cada um deles pode ser usado para contar e incentivar as pessoas a imaginar essas histórias.

Além disso, não se esqueça de que seu processo é interessante para as pessoas. A documentação honesta de seu trabalho pode ajudar sua comunidade a investir em sua história e acompanhar o desenvolvimento. Se você quer um ponto de referência, Tom Francis faz isso muito bem.

Se você quer a versão “além do volume 11 e de toda a compreensão do mundo bizarro” deste conceito, olhe para essas coisas que o guru de marketing Gary Vaynerchuck bombeia diariamente. Ele literalmente tem um homem cujo trabalho é segui-lo e filmá-lo, depois outra equipe de pessoas que edita e corta seu dia em pedacinhos bem embalados. Não estou sugerindo que você vá tão longe (ou se torne tão chato), mas até que ponto as pessoas querem documentários, comentários e conversações em um campo que lhes interessa é praticamente ilimitado.

Confiança

Eu fiz algum trabalho para o UK Games Fund em um evento em York recentemente. Um grande número de equipes em busca de financiamento conseguiu praticar seus argumentos antes de um evento mais formal no final do ano.

Muitos dos jogos eram de alta qualidade, mas o feedback esmagador de mim e dos outros observadores da indústria presentes foi que as equipes não estavam confiantes o suficiente em seus jogos, ou em sua abordagem. Houve até uma discussão sobre as normas culturais britânicas quando se trata de autoconfiança e práticas de vendas.

Confiança, ao invés de arrogância, vem de ser capaz de ver o verdadeiro valor em si mesmo e em seu trabalho. Você pode ser educado e humilde, mas ainda assim ter alta autoconfiança: na verdade, essas características geralmente andam de mãos dadas. Você não precisa se tornar um extrovertido lépido e fagueiro, mas se você tem problemas nessa área, então você deve isso a si mesmo e aos outros para trabalhar neles: as recompensas se estenderão muito além do desenvolvimento do jogo.

Polimento é o Acúmulo de Pequenos Desgastes

Acredito firmemente que os melhores jogos são criados por uma combinação de pensamento orientado a sistemas generalizado em grande escala e do perfeccionismo pedante microscópico.

Algumas pessoas incríveis são capazes de fazer as duas coisas, mas, na maioria das vezes, você precisará trazer essas diferentes perspectivas por meio da entrada de diferentes pessoas.

Demasiada macro e você tem jogos que acabam alienando os jogadores. Demasiado micro e você pode acabar com projetos que não têm uma espinha. Além disso, qualquer desequilíbrio aqui pode levar a tempos de desenvolvimento muito longos.

Saber quando um problema precisa ser resolvido com uma única alteração sistêmica ou uma série de alterações iterativas muito pequenas é provavelmente a habilidade mais difícil no design de jogos. O importante é respeitar cada abordagem e tentar saber quando é aplicável.

Uma das partes mais difíceis do desenvolvimento é o polimento: você precisa continuar trabalhando em problemas complicados que atrapalham o prazer do jogador. Justo quando você pensa que está pronto, alguém apontará algo e sua inclinação será lançar um objeto pesado neles. Em vez disso, continue polindo, depois use suas habilidades de fechamento para dar por encerrado e terminar a coisa.

Seja Honesto com Você Mesmo

O desenvolvimento de jogos é muito desafiador. Muitas vezes é exaustivo, frustrante, repetitivo, chato, pouco recompensador e excessivamente exigente. Você pode fazer um monte de coisas certas e ainda quebrar a cara – eu recomendo que todo desenvolvedor assista Hugh Monahan falar sobre sua experiência com Brigador.

Uma proporção muito grande de qualquer sucesso que você tem será totalmente por sorte. Você precisa estar consciente disso, abraçá-lo e levá-lo a sério.

Você tem que acreditar no que está fazendo para se manter nisso e precisa buscar uma verificação externa de que está produzindo algo que vale a pena. O resultado precisa fazer com que o processo valha a pena, não apenas financeiramente, mas também em termos de impacto pessoal.

Se as coisas não estão dando certo, você precisa fazer alterações: encontrar novos colaboradores, novos tipos de projetos, novos desafios, novos métodos, talvez até mesmo um novo papel. As habilidades que você aprende com o desenvolvimento de jogos independentes são relevantes para toda uma gama de diferentes aplicativos – você não precisa fazer jogos exatamente da mesma maneira para sempre, a fim de aproveitar ao máximo sua carreira e sua vida.

Sem Mais Segredos

Espero ter deixado claro que nenhum conselho no mundo lhe dará as chaves para produzir um jogo indie de sucesso. Todo mundo comete erros, todo mundo precisa pegar aquela onda de boa sorte.

Pense em Scrolls da Mojang ou em LawBreakers da Boss Key – empresas e indivíduos que tiveram enorme sucesso não conseguem acertar todas as vezes. Qualquer tipo de consistência nos jogos é algo de que se orgulhar, por isso fico feliz em ver desenvolvedores indies veteranos como Dave Gilbert, da Wadjet Eye ou Cliff Harris, retornarem com títulos de sucesso recentemente. Eu acredito plenamente em se manter por perto, tentando o seu melhor e permanecendo vivo. Para fazer isso, você precisa desenvolver um sistema de valor forte e uma rede de suporte para mantê-lo funcionando.

Os jogos fornecem um canal único para alcançar um público. É um público grande e diversificado e, às vezes, as coisas podem ficar bem barulhentas, mas também é por natureza uma coleção de pessoas dispostas a buscar novas experiências e permitir que elas sejam levadas para novos lugares. Eu ainda tenho fé na audiência dos jogos como um todo, apesar de alguns elementos terem se comportado de maneira absolutamente terrível nos últimos anos.

A própria indústria também está repleta de pessoas que genuinamente se preocupam com os outros e não querem nada mais do que ver todos juntos. Isso é radicalmente diferente de alguns outros lugares que você poderia escolher para trabalhar – qualquer um vindo de fora para os jogos destaca como a cena é amigável. Eu tive a sorte de ter algumas experiências incríveis e conhecer algumas pessoas lendárias.

Agora trabalhei em quatro jogos originais, dois títulos publicados e vários ports e contratos. Eu fiz 35 anos há um mês e certamente me sinto bem diferente de quando meu co-fundador (e nosso Designer-líder / Programador) Ian Hardingham e eu começamos a colaborar quando eu tinha 19 anos.

Eu não sei aonde o desenvolvimento de jogos indie vai me levar em seguida. Eu ainda acredito fortemente na colaboração entre eu e Ian no coração dos jogos da Mode 7 – o design dele e o absurdo de nonsense que eu coloquei sobre ele parecem se mesclar em um nível fundamental. Eu sei que preciso escrever mais algumas músicas e que quero colaborar mais para que eu possa me concentrar mais efetivamente nas coisas que realmente importam para mim, mas quem sabe o que vai acontecer.

Se você está pensando em embarcar neste caminho, ou talvez esteja apenas começando, estou aqui para dizer que é difícil, mas que pode valer a pena.

Não tente encontrar atalhos, não fique com inveja daqueles que têm mais atenção ou dinheiro do que você, e não faça nada só porque você leu em uma postagem de blog de algum idiota. Tirando o lance de se exercitar – você realmente deveria fazer isso.

Boa sorte.

Obrigado pela leitura! Por favor, confira nossos próximos jogos e adicione-os na sua lista de desejos no Steam, se gostarem…”

Publicado originalmente como “The 10 Secrets to Indie Game Success (and Why They Do Not Exist)” em 23 de agosto de 2018. Traduzido e republicado com autorização do autor.

Você pode se interessar

A História Perdida do LCD
Artigos
7 visualizações
Artigos
7 visualizações

A História Perdida do LCD

Carlos L. A. da Silva - 20 de novembro de 2018

Como a RCA foi pioneira na tecnologia, mas se deixou ultrapassar por falta de visão comercial, mal gerenciamento e descaso.

PWA // Dicionário do Programador
Vídeos
1,655 compartilhamentos6,803 visualizações
Vídeos
1,655 compartilhamentos6,803 visualizações

PWA // Dicionário do Programador

Thais Cardoso de Mello - 19 de novembro de 2018

O Dicionário do Programador é o quadro semanal onde você aprende mais sobre termos, tecnologias ou palavras do maravilhoso mundo da programação! Ele é uma ideia antiga, que tomou vida graças a grande ajuda da HostGator Brasil. O tema da vez é: PWA. // Nosso parceiro Ultra-Mega-Power 🐊 HOSTGATOR ▪ https://codft.me/hostgator ☝🏻 COMPRE NOSSAS CAMISETAS […]

Promoções de Jogos do Final de Semana (16/11)
Notícias
15 visualizações
Notícias
15 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (16/11)

Carlos L. A. da Silva - 16 de novembro de 2018

Confira as melhores ofertas de jogos de PC para o final de semana.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Mais publicações

Como ativar a defesa contra ransomware do Windows 10
Dicas
25 visualizações
25 visualizações

Como ativar a defesa contra ransomware do Windows 10

Carlos L. A. da Silva - 16 de novembro de 2018
Tatuagens e o Dress Code no Mundo da Programação // CAC #007
Vídeos
1,655 compartilhamentos6,816 visualizações
1,655 compartilhamentos6,816 visualizações

Tatuagens e o Dress Code no Mundo da Programação // CAC #007

Thais Cardoso de Mello - 15 de novembro de 2018
5 atalhos matadores do Android
Artigos
12 visualizações
12 visualizações

5 atalhos matadores do Android

Carlos L. A. da Silva - 14 de novembro de 2018