0 Compartilhamentos 12 Views

Microsoft vence leilão do Departamento de Defesa dos EUA: critérios técnicos ou políticos?

30 de outubro de 2019

A Microsoft venceu a licitação do Departamento de Defesa dos Estados Unidos na sexta-feira passada (25) para o contrato do Joint Enterprise Defense Infrastructure (JEDI). Foi o estopim para uma guerra de acusações nos bastidores que questionam a validade da escolha e a transparência do processo.

Essa guerra não foi deflagrada agora: ela é o ápice de um conflito bilionário de interesses que vem se arrastando por dois anos e envolve nomes como Google, Microsoft, IBM, Oracle, Amazon e Donald Trump. Nesse momento, pouco se fala dos aspectos técnicos envolvidos nas soluções de nuvem desses fornecedores ou mesmo sobre o impacto dessas tecnologias no verdadeiro campo de batalha. A grande questão é: por quê Microsoft?

É importante entender que JEDI tem um valor potencial de 10 bilhões de dólares (mais de 4o bilhões de reais no câmbio atual), a serem distribuídos ao longo de 10 anos. É uma injeção financeira a longo prazo de um cliente estável e que ainda pode abrir portas para outros contratos. Em suma, é o tipo de vitória comemorada entre acionistas e executivos, mais até do que entre engenheiros e desenvolvedores.

Para o Pentagono, JEDI é essencial para modernizar sua tecnologia e garantir a hegemonia da máquina bélica norte-americana. Para a Microsoft, JEDI não apenas significa uma garantia de dez anos como também representou um ganho imediato na Bolsa de Valores: seus papeis valorizaram cerca de 2.5% horas depois do anúncio oficial do Departamento de Defesa Em contrapartida, as ações da Amazon, favorita na opinião dos analistas mas derrotada na licitação, sofreram uma queda de 0.98% no mesmo período.

Faça tecnologia, não faça guerra

De todos os participantes da licitação de JEDI, o único que desistiu no meio do caminho e escapou das escaramuças que se seguiram foi o Google, curiosamente movido por razões de caráter ético. A desistência do Google aconteceu em outubro de 2018 e foi supostamente motivada por princípios estabelecidos anteriormente, que impediriam a empresa de participar de contratos militares.

Não que o quadro diretor do Google não tenha interesse ou ligações com setores militares, mas a empresa se viu envolvida em uma polêmica no passado. Quando um contrato com o Pentágono conhecido como Maven passou a implementar tecnologia de aprendizado de máquina do Google para reconhecimento de imagens de drones, funcionários protestaram e forçaram o recuo no contrato. Então, até que o Google mude sua visão de negócios, a empresa está temporariamente fora do páreo desse tipo de licitação.

A própria Microsoft tampouco escapou da saia justa: no início do ano, enquanto o processo de licitação do JEDI se arrastava, Satya Nadella, CEO da empresa precisou encarar um protesto semelhante entre seus funcionários. Na opinião de parte dos desenvolvedores da Microsoft, a tecnologia de Realidade Ampliada do HoloLens não deveria ser utilizada para fins militares e eles questionaram o contrato com o Exército para seu uso.

Disputa acirrada

De acordo com o anúncio oficial, o contrato com a Microsoft “continua nossa estratégia de um ambiente de vários fornecedores e várias nuvens, pois as necessidades do departamento são diversas e não podem ser atendidas por nenhum fornecedor. Este contrato abordará os requisitos críticos e urgentes de combatentes não atendidos por uma infraestrutura de nuvem moderna em todos os três níveis de classificação entregues à vantagem tática.”

Nas entrelinhas, entende-se que o governo dos Estados Unidos não quer estar atado às soluções de nuvem de uma única empresa e isso faz sentido. Entretanto, essa abordagem não impediu que disputa fosse selvagem mesmo assim e que, no frigir dos ovos, uma única empresa acabasse abocanhando a fatia da vez.

Mesmo a Microsoft, antes da vitória, tinha ressalvas sobre a possibilidade de um contrato desse porte terminar nas mãos de uma empresa isolada. No ano passado, em um comunicado, a Microsoft avisou: “nós acreditamos que a melhor abordagem é aquela que alavanca a inovação de múltiplos fornecedores de serviços de nuvem”.

Enquanto isso, o Google, fora do processo, não impediu que um representante da empresa emitisse opinião similar sobre a licitação de JEDI: “o Google Cloud acredita que uma abordagem com várias nuvens é do melhor interesse das agências governamentais, porque permite que elas escolham a nuvem certa para a carga de trabalho correta”.

O cenário que existia até a vitória da Microsoft era um cenário que previa a vitória do Amazon Web Services. Na visão de analistas de mercado, essa vitória quase certa da Amazon foi o motor que levou as demais participantes a insistirem na mesma tecla de uma abordagem múltipla. A Amazon não era vista como a favorita apenas por já dominar o mercado de computação na nuvem, mas também por já possuir vários e poderosos contratos com o governo.

Enquanto Google e Microsoft sutilmente sugeriam dividir o bolo que estava praticamente nas mãos da Amazon, IBM e Oracle entraram com protestos formais contra todo o processo de licitação. As duas empresas alegavam que a proposta criada pelo Departamento de Defesa havia sido projetada para favorecer a rival, que seria um jogo de cartas marcadas.

Por conta dos protestos de IBM e Oracle, o governo norte-americano tomou precauções em dobro em relação ao processo de licitação de JEDI. O contrato passou por análise tanto do Escritório de Responsabilidade do Governo quanto pela Tribunal de Reivindicações Federais, que avaliam denúncias contra a administração pública.

Na semana anterior ao anúncio do resultado, o secretário de defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, se absteve da responsabilidade de avaliar o acordo por conta do vínculo empregatício que seu filho possuía com um dos licitantes, a IBM. Isso mesmo após a eliminação da IBM na concorrência em uma etapa anterior da competição.

O próprio Departamento de Defesa reforçou seu compromisso com a isenção e com a transparência do processo em seu anúncio oficial, onde afirma que “o processo de aquisição foi conduzido de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis. (…) No início, a competição incluiu quatro diferentes fornecedores. Todos os ofertantes foram tratados de maneira justa e avaliados de forma consistente com os critérios de avaliação declarados da solicitação”.

“Nós estamos surpresos”

A vitória da Microsoft na licitação não acalmou os ânimos. Pelo contrário. Desta vez, foi a Amazon que se manifestou negativamente contra o processo: “nós estamos surpresos com essa conclusão”, revelou um porta-voz em um comunicado oficial. Ainda de acordo com a empresa, o Amazon Web Services é considerado “o líder claro em computação em nuvem”. Mais do que isso, “uma avaliação detalhada puramente das ofertas comparativas levaram claramente a uma conclusão diferente”. Ao final, o representante sinaliza que a empresa continua aberta e sutilmente segue insinuando que uma escolha equivocada pode ter resultados ruins na linha de frente: “continuamos profundamente comprometidos em continuar inovando no novo campo de batalha digital, onde segurança, eficiência, resiliência e escalabilidade de recursos podem ser a diferença entre sucesso e fracasso”.

A reclamação do derrotado virou uma denúncia séria nas páginas do jornal The Washington Post, não por acaso propriedade do mesmo Jeff Bezos que comanda a Amazon. O jornal deu destaque para um novo livro escrito por um ex-funcionário do Pentágono que afirma que o presidente Donald Trump tinha um interesse pessoal em “ferrar” a Amazon, deixando a empresa de fora de JEDI.

Bezos e Trump tem um feudo que antecedia a eleição desse último e continuou nos anos seguintes. A insinuação de que o presidente dos Estados Unidos possa ter utilizado seu poder e influência para interferir em um processo licitatório é extremamente significativa, se comprovada.

Franklin Turner, advogado da firma McCarter & English, consultado pelo The Washington Post, endossa a teoria: “é claro como água aqui que o Presidente dos Estados não queria que esse contrato fosse concedido para um dos competidores. Como resultado, é bastante provável que vejamos uma série de desafios de que a aquisição não foi realizada em condições equitativas”.

Esse assunto ainda deve render nos próximos meses. É cedo para a Microsoft comemorar a vitória. Ainda de acordo com Turner, “a Microsoft deveria esperar uma guerra de curto prazo aqui. É virtualmente garantido que a Amazon fará todos os esforços para verificar a matemática do governo nesta questão”.

Essa guerra está apenas começando e, lamentavelmente, não será resolvida do ponto de vista técnico.

Você pode se interessar

Promoções de Jogos do Final de Semana (06/12)
Notícias
10 visualizações
Notícias
10 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (06/12)

Carlos L. A. da Silva - 6 de dezembro de 2019

Confira as melhores ofertas de jogos de PC para o final de semana.

Como bloquear trolls no Twitter em larga escala
Dicas
9 visualizações
Dicas
9 visualizações

Como bloquear trolls no Twitter em larga escala

Carlos L. A. da Silva - 4 de dezembro de 2019

Ninguém está livre de cair na mira de uma horda virtual e saber se defender é fundamental.

Conheça a diferença entre Inteligência Artificial, Aprendizado de Máquina e Aprendizado Profundo
Artigos
12 visualizações
Artigos
12 visualizações

Conheça a diferença entre Inteligência Artificial, Aprendizado de Máquina e Aprendizado Profundo

Carlos L. A. da Silva - 30 de novembro de 2019

Na linguagem coloquial, esses termos até se confundem mas, tecnicamente, não são a mesma coisa.

Mais publicações

Como aproveitar ao máximo a Área de Transferência do Windows 10
Dicas
19 visualizações
19 visualizações

Como aproveitar ao máximo a Área de Transferência do Windows 10

Carlos L. A. da Silva - 28 de novembro de 2019
Tudo que você precisa saber sobre o USB4
Artigos
45 visualizações
45 visualizações

Tudo que você precisa saber sobre o USB4

Carlos L. A. da Silva - 25 de novembro de 2019
Promoções de Jogos do Final de Semana (22/11)
Notícias
21 visualizações
21 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (22/11)

Carlos L. A. da Silva - 22 de novembro de 2019