0 Compartilhamentos 45 Views

Tudo que você precisa saber sobre o USB4

25 de novembro de 2019

A sopa de letras em que se transformou o bom e velho USB está próxima de ter um final feliz com o USB4 (sem espaço entre a sigla e o número). O novo padrão foi anunciado em Março, mas a especificação técnica final só foi publicada agora pela USB Promoter Group, responsável pela tecnologia. Novamente, a meta é válida: criar um padrão universal que se torne realidade entre consumidores e fabricantes.

O USB Promoter Group é composto por representantes de gigantes da tecnologia, como Apple, HP, Intel, Microsoft, ST Microelectronics, Texas Instruments e mais. Para a criação do USB4, o grupo conta com o apoio da USB-IF (USP Implementers Forum), entidade sem fins lucrativos que cuida da certificação de dispositivos.

“O principal objetivo do USB é oferecer a melhor experiência ao usuário combinando dados, exibição e fornecimento de energia através de uma solução robusta e amigável de cabo e conector”, declarou Brad Saunders, presidente do USB Promoter Grou no anúncio oficial do padrão. Esse sonho parece ainda mais próximo da realidade agora graças a uma nova aliança de peso: a Intel e seu Thunderbolt.

Thunderbolt 3 x USB4

A cisão entre padrões começou em 2011, quando a Intel desenvolveu a interface Thunderbolt em colaboração com a Apple. O objetivo era louvável: oferecer uma interface mais versátil e rápida para múltiplos protocolos. Por conta disso, hoje é possível utilizar cabos e dispositivos capazes de conectar de monitores a disco rígidos através do Thunderbolt. Entretanto, a falta de uma padronização dividiu o mercado

A Intel procurou ampliar a compatibilidade no Thunderbolt, oferecendo suporte a USB 3.1 Gen 2 e adotando a porta USB-C. Isso significaria que portas Thunderbolt poderiam ser utilizadas com dispositivos USB (desde que da geração correta) e vice-versa, na medida do possível.

Entretanto, a compatibilidade não era plena e a confusão de siglas tenderia a confundir o consumidor. Além disso, não é porque um dispositivo USB está plugado a uma porta Thunderbolt que ele passa a ter as mesmas vantagens de um dispositivo Thunderbolt. Por exemplo, um disco rígido USB 3.0 conectado a uma porta Thunderbolt continua limitado à velocidade do USB 3.0.

Para os fabricantes, o Thunderbolt apresentava um problema adicional: tecnologia proprietária da Intel. As especificações da interface não eram públicas, o que tornou o padrão menos popular do que o mercado precisava ou a própria Intel desejava.

Felizmente, a mentalidade da Intel mudou com o tempo e a empresa anunciou que as especificações da Thunderbolt 3 seriam públicas e livres de royalties. Desta forma, a USB-IF adotou uma política de integração: as especificações da Thunderbolt 3 estão sendo incorporadas no USB4 desde sua gestação, para se obter compatibilidade plena. O objetivo é acabar com a cisão e finalmente unificar o mercado novamente em torno de um único padrão.

Vantagens do USB4

Além da compatibilidade com o Thunderbolt, o que mais o USB4 trará para o consumidor? De cara, melhor velocidade. O USB4 consegue atingir impressionantes 40 gigabits por segundo, cerca de duas vezes mais rápido que a versão mais rápida do USB 3 ou 8 vezes mais rápido que o padrão original do USB 3. É uma grande evolução, que será sentida na transferência de dados.

Mais do que apenas um ganho de performance, o USB4 utiliza de forma mais inteligente seus canais, dividindo recursos entre energia, transmissão de dados e vídeo. Embora o USB 3 tenha introduzido o recurso de utilizar um único cabo para o envio disso tudo simultaneamente, dependendo da forma em que essa funcionalidade era configurada, isso significava uma redução abrupta de velocidade enquanto havia passagem de energia.

Com o USB4, é possível compartilhar o cabo para todas as funções de uma forma mais prática. Por exemplo, um monitor que utiliza 8 Gbps para transmissão de sinal de vídeo, ainda pode utilizar os outros 32 Gbps disponíveis para outros propósitos, sem prejuízo de função. Isso permite também que dispositivos diferentes aproveitem a largura disponível de formas diferentes, economizando recursos.

O USB4 tem retrocompatibilidade com portas e dispositivos USB 3.2, USB 3.1, USB3.0 e USB2.0, além de suporte a Thunderbolt, da Intel.

O USB4 também irá contar com suporte ao padrão USB PD (Power Delivery), destinado a levar carga para dispositivos de alto consumo elétrico. Esse recurso permite altas potências e melhor gerenciamento de energia.

Em outras palavras, o que podemos esperar é uma porta única, rápida e eficiente capaz de libertar o consumidor da necessidade de se comparar diferentes padrões e siglas para se fazer escolhas que nem sempre são benéficas para seu contexto.

Desvantagens do USB4

A primeira desvantagem é evidentemente o tempo: se você ficou ansioso para adotar o USB4 em suas próximas compras, terá que ter um bocado de paciência. Com a especificação técnica publicada agora, a expectativa é que leve pelo menos um ano para os primeiros produtos com conexão USB4 chegarem ao mercado.

Segundo, produtos com suporte a USB4 custarão um pouco mais do que a tecnologia atual. A habilidade de enviar mais dados e energia significa um novo e mais complicado processo de fabricação que terá reflexos no custo de produção.

Tampouco espere milagres: assim como o Thunderbolt, o USB4 não irá transformar portas e dispositivos de outros padrões magicamente em USB4. Ou seja, seus dispositivos USB 2, USB 3 e Thunderbolt poderão até se comunicar com hardware USB4, mas a velocidade será limitada ao padrão anterior.

Perceba também que o USB4 não traz retrocompatibilidade com o USB 1.x, aposentando de vez o padrão original, introduzido em 1996. Mais de vinte anos depois, já estava na hora de dizer adeus ao formato, mas isso pode causar problemas com máquinas legadas.

Enquanto o USB4 não chega, o consumidor terá que passar por mais uma confusão: o USB 3.2 está chegando agora ao mercado. Ele amplia a velocidade de tráfego de dados ao empregar o recurso de operação em múltiplos canais. Na prática, ele utiliza dois canais separados de 5 Gbps ou 10 Gbps, fisicamente independentes dentro do cabo. Com isso, é possível duplicar a velocidade máxima do padrão anterior, chegando a 20 Gbps. O USB4 promete dobrar isso novamente, mas não será agora.

Nesse momento, será necessário tomar uma decisão: investir no USB 3.2 ou aguardar mais um ano por seu legítimo sucessor?

Você pode se interessar

Como bloquear trolls no Twitter em larga escala
Dicas
9 visualizações
Dicas
9 visualizações

Como bloquear trolls no Twitter em larga escala

Carlos L. A. da Silva - 4 de dezembro de 2019

Ninguém está livre de cair na mira de uma horda virtual e saber se defender é fundamental.

Conheça a diferença entre Inteligência Artificial, Aprendizado de Máquina e Aprendizado Profundo
Artigos
11 visualizações
Artigos
11 visualizações

Conheça a diferença entre Inteligência Artificial, Aprendizado de Máquina e Aprendizado Profundo

Carlos L. A. da Silva - 30 de novembro de 2019

Na linguagem coloquial, esses termos até se confundem mas, tecnicamente, não são a mesma coisa.

Promoções de Jogos do Final de Semana (29/11) – Edição da Black Friday
Notícias
19 visualizações
Notícias
19 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (29/11) – Edição da Black Friday

Carlos L. A. da Silva - 29 de novembro de 2019

Confira as melhores ofertas de jogos de PC para o final de semana.

Mais publicações

Como aproveitar ao máximo a Área de Transferência do Windows 10
Dicas
18 visualizações
18 visualizações

Como aproveitar ao máximo a Área de Transferência do Windows 10

Carlos L. A. da Silva - 28 de novembro de 2019
Promoções de Jogos do Final de Semana (22/11)
Notícias
19 visualizações
19 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (22/11)

Carlos L. A. da Silva - 22 de novembro de 2019
Programadora Youtuber cria jogo online e ensina como foi feito
Notícias
2 compartilhamentos28 visualizações
2 compartilhamentos28 visualizações
Como descobrir os vídeos de sucesso do YouTube de dez anos atrás
Dicas
13 visualizações
13 visualizações

Como descobrir os vídeos de sucesso do YouTube de dez anos atrás

Carlos L. A. da Silva - 21 de novembro de 2019