0 Compartilhamentos 229 Views

Tudo que você queria saber sobre 404 mas tinha medo de perguntar

Você encontra aquele link bacana que parece ter exatamente a resposta para aquilo que você está procurando. Você clica todo feliz e então…

404.

Página não encontrada.

Se isso já aconteceu com você, pode acreditar que também irá acontecer com os visitantes do seu site.

“Não vai, não, eu montei meu site com muito cuidado, checo os links regularmente e não tem nada quebrado!”, você pode estar falando agora com seu monitor. Primeiro, pare com isso, porque está todo mundo olhando você conversando com um monitor. Segundo, não importe o quão blindado, revisado, ajustado seja o seu site, porque inevitavelmente seus visitantes vão encontrar um link quebrado. “Mas como?!”, insiste você conversando com o monitor. Porque eles podem digitar errado. Porque alguém, em algum lugar da Internet, criou um link para sua página e criou o link errado. Porque seu visitante conseguiu achar um link de 1998 para sua página midis.html e ela não existe mais.

Então, relaxa, e prepara seu 404.

404-ninja

Um ninja roubou essa página!

“Mas, de onde veio esse tal de 404?”

A culpa é do Tim Berners-Lee, aquele cara boa praça que criou a Internet. Ele criou os códigos de status de HTTP, que existem para o servidor e o navegador ficarem conversando enquanto você espera algo aparecer na sua tela. Existem diversos códigos e eles foram inspirados nas respostas do protocolo FTP, que já existiam bem antes, então, desta vez, Berners-Lee nem precisou queimar muito neurônio. Afinal, o homem já estava meio cansado de inventar a web.

Então, você dispara seu navegador e seu navegador pede para o servidor: “por gentileza, será que poderia procurar aí para mim a página midis.html?”. E o servidor pode responder várias coisas, como “OK, toma aqui” (vulgo código 200) ou “você não tem autorização para ver isso, cadê seus documentos?” (vulgo código 403) ou “estou morta!” (vulgo erro 500).

O 404 é o jeito do servidor responder “não tem nada disso por aqui, só lamento”.

404-hillary

Página de erro oficial do site da Hillary Clinton traz férias da família.

“O que significam esses números? É numerologia?”

Reza a lenda que os códigos de erro vieram dos números das salas do CERN, aquele fantástico laboratório suíço que resolveu inventar algo ainda mais legal do que canivetes e relógios e tão legal quanto o chocolate. Supostamente, 404 é o número de uma sala que não existe no complexo, daí ser o número para “página não encontrada”. Ao contrário de lugares comuns para reles mortais, a numeração é muito louca no CERN e 404 seria a sala número 04 no prédio 4 e não uma hipotética sala 04 no quarto andar. É verdade que a sala não existe (a numeração começa no 410), mas é pura lenda que esse fato tenha influenciado o código de erro.

A resposta é bem mais… científica, como não poderia deixar de ser. O primeiro 4 implica que esse é um tipo de erro relacionado ao cliente (navegador), em contraposição aos erros que começam com 5, que dizem respeito ao servidor. O número 0 implica um erro de sintaxe, talvez uma grafia errada. E o último 4 é para diferenciar o 404 do resto da família dos erros 40x.

E “numerologia” não é Ciência.

404-blizzard

Site da desenvolvedora de jogos Blizzard coloca a culpa em VOCÊ!

“Vocês tem uma página 404?”

Pode apostar que sim. Tente acessar www.codigofonte.com.br/midis.html para ver nossa coleção de midis do Nirvana.

“Como criar o melhor 404 do mundo?”

Quando o seu visitante chega em uma página 404, ele está perdido. O que precisamos fazer é mostrar o caminho certo. Essa não é a melhor hora para dizer que o usuário errou ou você errou ou a culpa é das estrelas. Não é a hora para apontar dedos, mas para apontar direções.

  • Permita que as pessoas acessem o restante do site: tenha um punhado de links preparados para orientar o visitante. Pelo menos um link para a página principal e outros links para as áreas mais importantes do seu site. Reproduzir exatamente a navegação de uma página normal é uma excelente pedida, uma vez que já irá acostumar o usuário com seus menus. A menos que seus menus sejam labirintos de jQuery (que você já deveria ter simplificado há muito tempo…). Nesse caso, torne a navegação o mais simples possível: seu visitante já está desorientado e não queremos que ele entre em pânico e corra para o Google.
  • Faça uma página leve: Seu visitante está perdido e pode estar atrás de uma conexão lenta ou uma franquia de dados limitada no dispositivo móvel. Você não vai querer que ele consuma tempo e dinheiro carregando aquela imagem engraçadinha que você criou mas que pesa 1MB ou um vídeo do YouTube com reprodução automática só para descobrir que caiu no lugar errado. Se possível, evite gráficos.
  • Não coloque anúncios: Pelas barbas de Berners-Lee, segura essa ânsia de ganhar dinheiro! Seu visitante está perdido e você ainda está tentando fazer uma venda?! Ele precisa de ajuda em uma hora destas, uma mão amiga, não uma mão na carteira.
  • “Mas eu preciso do dinheiro! Nem um bannerzinho?”: A maior parte das redes de anunciantes proíbe formalmente a inclusão de banners em páginas de erro, qualquer página de erro. E pare de falar com o monitor.
  • Inclua uma caixa de busca: A maioria dos visitantes não resiste a uma caixa de busca, principalmente se estiverem perdidos. Afinal, onde você está escondendo aqueles midis se eles não aparecem na navegação? Com um mecanismo de busca embutido na sua página, o usuário pode seguir procurando exatamente o que deseja. E nos resultados da busca você pode finalmente colocar seus anúncios.
  • Abra um canal de comunicação: Uma outra boa ideia é permitir que seus visitantes entrem em contato e reportem a página quebrada. Um endereço de e-mail ou um formulário de contato que abre em popup podem ser uma forma dos usuários avisarem que você vacilou e removeu os midis do site.
  • O melhor 404 é aquele que ninguém vê! Se você monitorar os logs de acesso de seu site, pode ser fácil identificar onde seus visitantes estão errando mais e qual é a sua origem. Se for um link externo quebrado, crie a página que está faltando e redirecione o visitante para o conteúdo correto. Se for um endereço constantemente mal digitado, ofereça a versão errada redirecionando para a versão certa. Se for um link interno errado, corrija o problema.
404-pt

Acredite, está é a página oficial de erro do site do PT.

“É mesmo estranho conversar com o monitor?”

Sim. Principalmente se você ouvir ele respondendo. Procure ajuda.

Você pode se interessar

TypeScript // Dicionário do Programador
Vídeos
1,655 compartilhamentos6,808 visualizações
Vídeos
1,655 compartilhamentos6,808 visualizações

TypeScript // Dicionário do Programador

Thais Cardoso de Mello - 18 de março de 2019

TypeScript é o termo falado nesse Dicionário do Programador, conheça mais sobre o assunto.

Promoções de Jogos do Final de Semana (15/03)
Notícias
11 visualizações
Notícias
11 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (15/03)

Carlos L. A. da Silva - 15 de março de 2019

Confira as melhores ofertas de jogos de PC para o final de semana.

Mega Bate-Papo com o Programador BR (feat. Igor Oliveira) // CDF Entrevista
Vídeos
1,655 compartilhamentos6,812 visualizações
Vídeos
1,655 compartilhamentos6,812 visualizações

Mega Bate-Papo com o Programador BR (feat. Igor Oliveira) // CDF Entrevista

Thais Cardoso de Mello - 14 de março de 2019

Batemos um papo muito divertido e informativo com o Igor Oliveira (do canal Programador BR).

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Mais publicações

World Wide Web completa 30 anos!
Notícias
13 visualizações
13 visualizações

World Wide Web completa 30 anos!

Carlos L. A. da Silva - 12 de março de 2019
Ada Lovelace: o cérebro que nunca morre
Artigos
134 visualizações1
134 visualizações1

Ada Lovelace: o cérebro que nunca morre

Carlos L. A. da Silva - 12 de março de 2019
Scrum // Dicionário do Programador
Vídeos
15 visualizações
15 visualizações

Scrum // Dicionário do Programador

Thais Cardoso de Mello - 11 de março de 2019