0 Compartilhamentos 398 Views

Microsoft coloca data center no fundo do mar

1 de fevereiro de 2016

A Microsoft completou nesse final de semana um teste secreto e ambicioso: colocar um data center funcionando no fundo do mar.

Com o nome de Projeto Natick, o primeiro teste da iniciativa conseguiu manter operacional o serviço de nuvem Azure a dez metros de profundidade na costa da Califórnia por 108 dias seguidos.

O objetivo final da Microsoft e ter uma rede de serviços de nuvem funcionando a uma profundidade ainda maior por anos a fio, sem a intervenção humana e operando a temperaturas baixíssimas oceânicas sem custo adicional com sistemas de refrigeração. O sistema irá gerar sua própria energia elétrica aproveitando a força das ondas na superfície ou através de turbinas de captação das correntes marinhas.

natick

O protótipo na data de sua imersão, em Agosto do ano passado.

Atualmente, a Microsoft possui mais de 100 data centers espalhados pelo mundo e a necessidade por mais não para de crescer. Com a empresa focada em se tornar a líder mundial em serviços de nuvem, novos data centers precisarão ser implementados com rapidez e eficiência. Nesse quesito, o Projeto Natick é crucial: através da tecnologia desenvolvida para ele, estima-se que o tempo de produção e instalação de um data center possa cair de dois anos para apenas 90 dias.

O primeiro módulo foi batizado de “Leona Philpot” em homenagem a uma personagem secundária da franquia Halo de jogos eletrônicos. Ela aparece apenas na campanha viral “I Love Bees”, de 2004, para promover Halo 2. Estudante ginasial, ela parte a coluna durante um mergulho malsucedido na piscina do colégio.

Apesar do nome, nada de errado aconteceu com o módulo durante esses mais de três meses submerso. Para Ben Cutler, um dos engenheiros da Microsoft envolvidos no projeto, a ideia parecia loucura inicialmente: “eu pensei ‘água… eletricidade, por que você faria um negócio desses?’. Mas quando você pensa a respeito, na verdade faz um bocado de sentido”.

O sistema submerso foi monitorado por mais de 100 sensores diferentes a partir de um escritório em terra firme. Estatísticas como temperatura, umidade, trepidação e outros fatores eram visualizados e estudados para entender como operar um data center que não pode receber um técnico de manutenção em caso de falha crítica. Felizmente, “Leona Philpot” apresentou resultados tão estáveis que chegou a rodar projetos comerciais da plataforma de nuvem Azure.

Carregando...

Você pode se interessar

Promoções de Jogos do Final de Semana (20/11)
Notícias
9 visualizações
Notícias
9 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (20/11)

Carlos L. A. da Silva - 20 de novembro de 2020

Confira as melhores ofertas de jogos de PC para o final de semana.

Top 10 soft skills para desenvolvedores
Artigos
12 visualizações
Artigos
12 visualizações

Top 10 soft skills para desenvolvedores

Carlos L. A. da Silva - 20 de novembro de 2020

Não basta saber programar bem... confira o que as empresas também estão procurando em um profissional de desenvolvimento.

Como detectar um bloqueador de anúncios usando uma linha de Javascript
Dicas
15 visualizações
Dicas
15 visualizações

Como detectar um bloqueador de anúncios usando uma linha de Javascript

Carlos L. A. da Silva - 18 de novembro de 2020

Bloqueadores já são uma realidade, mas você não precisa de muito código para descobrir quando eles estão ativos.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Mais publicações

Promoções de Jogos do Final de Semana (13/11)
Notícias
20 visualizações
20 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (13/11)

Carlos L. A. da Silva - 13 de novembro de 2020
Como extrair imagens de um documento Word/LibreOffice com inteligência
Dicas
19 visualizações
19 visualizações
Promoções de Jogos do Final de Semana (06/11)
Notícias
25 visualizações
25 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (06/11)

Carlos L. A. da Silva - 6 de novembro de 2020